Idolos, cuidado com eles

Quando começamos a correr, nadar ou pedalar, temos sempre um amigo(a) ou conhecido(a) que já pratica este esporte há algum tempo e está sempre te chamando para aparecer para treinar com ele um dia.

– Amanhã o pessoal vai pedalar até a Lagoa e voltar. Aparece lá!

– Vamos subir o Morro da Cruz ?

Provavelmente está pessoa passará a ser uma espécie de ídolo, um modelo para quem está começando no esporte. Aconteceu comigo e também deve ter acontecido com você.

Não que isto seja errado, ao contrário, não existe motivação maior do que saber que outra pessoa conhecida e com os mesmos problemas que você enfrenta no dia a dia consegue fazer algo que para você ainda é sonho. “Se ele consegue, eu também posso conseguir” pensa você.

No começo tudo é festa, em pouco tempo você está fazendo treino de rodagem (os famosos longões) com distâncias compatíveis com as dele ou dela, fazendo 10k em um tempo muito menor do que antes e chegando perto dos tempos do seu modelo, e assim por diante.

Beleza, este é o caminho, mas é aí que pode começar o problema.

Cada pessoa tem um biotipo, um “background fisiológico” resultado das atividades físicas que praticou na infância e adolescência, uma necessidade de competição  e uma motivação diferentes.

O importante não é ser melhor, ou até mesmo igual ao seu modelo inicial, e sim definir quais são os seus próprios objetivos e ir de encontro a eles.